Exclusivo!

Poço Verde nega título a Lula. E daí?

A cegueira ideológica impede a transformação real da sociedade (foto: porvir.org.) Dizem que o Brasil está tão dividido que é preciso ...

Novidade

terça-feira, 3 de julho de 2012

Greve continua e professores reclamam da intransigência de Wagner



Os professores estão revoltados com a intransigência de Wagner
     Os professores da rede estadual de ensino decidiram mais uma vez manter a greve da categoria, em assembleia realizada na manhã desta terça-feira (3), no estacionamento da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). Por unanimidade, os docentes disseram “sim” à proposta do comando do movimento, que já havia antecipado a tendência de continuidade da paralisação que já chega aos 84 dias. Fortalecidos após o desfile do 2 de Julho, avaliado como “uma vitória” da categoria e “uma prova do apoio da população”, os professores criticaram a postura do governador Jaques Wagner e entoaram músicas e paródias já conhecidas por quem acompanha as assembleias e protestos do grupo. Ao microfone, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB) voltou a reclamar da “intransigência” de Wagner. “Será que ele vai esperar o 7 de setembro para sentar e negociar com a gente?”, questionou. Após a decisão, os professores se reúnem em grupos menores para planejar a agenda de atividades ao longo da semana, que incluirá um ato público com panfletagem na Praça do Imbuí, a partir das 9h do sábado (7). A próxima assembleia está marcada para a terça (10), mas reuniões extraordinárias não estão descartadas em caso de novas propostas do governo do Estado. Os professores da rede estadual de ensino irão à sede do Ministério Público do Estado (MP-BA), às 9h desta quinta (5), para pedir a mediação da promotoria nas negociações com o governo. Os docentes acreditam que a participação mais efetiva do MP no diálogo com o Executivo estadual pode fazer a diferença na resolução do impasse, que leva a paralisação ao 84º dia. “Não há nenhuma proposição por parte do governo e não é possível que o Ministério Público não se posicione para mediar essa negociação. Vamos pedir essa intermediação”, afirmou a diretora do departamento jurídico do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB), Marilene Betros, em entrevista ao Bahia Notícias.
     Informações de Patrícia Conceição, do Bahia Notícias.