Exclusivo!

2º dia da 1ª Fecultarte teve dança, vídeo e teatro

A 2ª noite da 1ª Fecultarte foi dominada pela dança e pelo teatro (foto: Landisvalth Lima) O Colégio Estadual José Dantas de Souza – C...

Novidade

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Criança “morta” acorda e pede água no meio do velório


AGUIRRE TALENTO e LUIZA BANDEIRA – da Folha de São Paulo – com informações complementares do portal TV SBUNA e do Diário On Line.
Kelvys morreu duas vezes
Uma criança de dois anos acordou, sentou no caixão e bebeu um copo de água durante seu próprio velório no sábado (2), em Belém, segundo parentes e pessoas presentes no local. Depois disso, o menino Kelvys Simão dos Santos foi levado para o hospital, mas chegou morto. A Polícia Civil do Pará investiga se houve erro médico na declaração da "primeira morte", mas, na ilha de Cotijuba, em que o fato ocorreu, há quem diga que foi um milagre ou algo sobrenatural. Havia cerca de 50 pessoas no velório.
O pai de Kelvys está inconformado
Kelvys foi internado em um hospital estadual com febre e falta de ar na sexta-feira (1). À noite, o hospital constatou a morte da criança. A declaração de óbito aponta como causa da morte insuficiência respiratória, broncopneumonia e desidratação. As cavidades de seu corpo foram tamponadas e Kelvys foi colocado em um "lençol de cadáver", que é uma espécie de saco plástico, para depois ser levado à funerária. Segundo o hospital, ele passou cerca de três horas sem poder respirar. A família, porém, diz que retirou os algodões de suas narinas e boca e abriu o saco plástico.
Durante o velório, segundo a pastora Maria Raimunda Batista, ele "estava se mexendo o tempo todo". O pai do menino, o agricultor Antônio dos Santos, diz que por volta das 14h as pessoas presentes começaram a fazer massagem cardíaca no menino, até que ele cuspiu restos de algodão que haviam sido colocados em sua boca. Logo depois, diz, o menino sentou no caixão e disse "Pai, água". "O povo entrou em pânico, a avó dele desmaiou. O pai e a mãe dele ficaram muito felizes", disse a pastora. O menino foi levado ao hospital imediatamente, segundo o pai, mas já chegou morto.
INVESTIGAÇÃO
Jornais do Pará deram destaque ao fato
O pai do menino diz acreditar que a criança reagiu aos medicamentos que haviam sido dados no hospital na tentativa de ressuscitá-lo depois que o óbito já havia sido declarado, e por isso acordou no velório. A direção do hospital afirmou, em nota, que só será possível esclarecer o episódio caso o corpo da criança seja exumado. De acordo com a Polícia Civil, a depender dos depoimentos colhidos na fase preliminar da investigação pode ser determinada a abertura de inquérito e feito o pedido de exumação. O hospital deixou a investigação a cargo da polícia. "Se a criança estivesse viva, ela não ia aguentar ficar tanto tempo tamponada. Por isso que achamos estranho e queremos também uma explicação", afirmou a diretora do Hospital Regional Abelardo Santos, Vera Cecim.
Familiares protestaram
Os familiares de Kelvys procuraram a Seccional de Icoaraci, na tarde da última segunda-feira (4), para registrar Boletim de Ocorrência contra o hospital, por negligência médica. Segundo o pai, o menino foi dado como morto às 19h de sexta-feira (1), apresentando novamente sinais de vida por volta de 15h30 de sábado, 2. Foi enterrado na tarde do mesmo dia. A criança foi encaminhada para o Abelardo Santos devido à falta de equipamentos e médicos em Cotijuba. Kelvys estava com quadro de insuficiência respiratória, broncopneumonia e desidratação. “Meu filho estava bem. Fiquei surpreso quando falaram que ele tinha morrido. Logo perguntaram se eu tinha condições de fazer o traslado do corpo e eu disse que não. Foi então que me ofereceram serviço funerário”, conta o pai do menino.
Antônio diz que o hospital ficou com as três vias do atestado de óbito, mas as três cópias do documento ficaram com a funerária que levou o corpo até o trapiche de Icoaraci. Um caixão foi então providenciado para a criança, de maneira gratuita. Por trás dos cartazes de protesto em frente ao Hospital Regional Abelardo Santos (HRAS), em Belém, há umk mistério a ser resolvido, mas uma coisa é certa: Kelvys é mais uma vítima do péssimo serviço público na área de saúde no Brasil.