Exclusivo!

Juiz recebe 500 mil de salário. Direito ou privilégio?

Mirko Vincenzo Giannotte recebeu 503 mil em salários. Direito ou privilégio? A pressa em divulgar uma notícia pode levar um jornalista ...

Novidade

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Uma escola, um lixão, a podridão e a rosa


                                   Landisvalth Lima
A degradação humana continua e já é tema de novela!
No último dia 14 de maio fui visitar uma comunidade próxima à localidade de Mombaça, no município de Serrinha (Ba). Com um nome muito bonito de Alto das Flores, a comunidade vive o drama da convivência com um lixão localizado a menos de cem metros. Pior, o prédio mais importante é justamente uma escola: a creche Mundo da Criança. A informação nos foi passada pela advogada Ivana Santana, que foi com a nossa reportagem ao local. Moradores disseram que o lixo já estava invadindo o terreiro da creche. Depois de muitas reclamações, uma maquina empurrou o problema para uns 100 metros depois, mas ele continua lá causando transtornos e doenças à comunidade.
Este fato nos coloca diante do seguinte questionamento: o que veio fazer Osni Cardoso na Prefeitura Municipal de Serrinha? Porque o leitor deste blogue deve estar a pensar que estamos num ano eleitoral e não há mais utopias. As esperanças foram jogadas por terra. Serrinha sempre foi uma cidade de uma carga política propositiva ligada ao pensamento socialista de esquerda. Nos orgulhávamos, até bem pouco tempo, de dizer que os coronéis estaduais não ganhavam eleição em Serrinha, embora elegêssemos coronéis municipais. Vários dos nossos políticos de esquerda tiveram participação na luta contra a ditadura. Brizolara, Genebaldo, da velha guarda; Urias, Dego, Paulo Bahia, Milton, Ivana, Maria da Guia, Valdir do Som, Justino, Capilha... há uma lista enorme. Onde estão? Alguns morreram, outros estão atrelados covardemente ao poder, muitos desistiram da luta, uns esperam e poucos ainda continuam acreditando na utopia de uma sociedade menos desigual. Entre eles há algo em comum: todos acreditaram que o professor Osni Cardoso iniciasse, pelo menos, a transformação de Serrinha.
O lixão e a creche ao fundo.
Ora, então votamos em mais um administrador? Em mais um que, com deputados embaixo do braço, vai a Brasília buscar recursos para gerar recursos de campanha? Votamos em mais um que quer apenas agregar pessoas a um suposto projeto de governo? Mas que projeto? O da reeleição? Se Osni Cardoso tivesse um projeto sério para Serrinha não haveria creches funcionando ao lado de lixões. O Alto das Flores é a metáfora da farsa da administração Osni Cardoso. Ele está usando a estrela do PT, o governo social de Lula para surfar na onda do poder e preservar um estado de coisas que vem desde o governo de Carlos Freitas Mota. E é bom que se diga que um governo transformador não faz um projeto como a tal pista de Skate ou a quadra do bairro da Santa. Verdade seja dita: o único mérito do governo Osni Cardoso é fazer com que muitos sintam saudades de Josevaldo Lima, Ferreirinha e até Tânia Lomes.
Ver a situação do Alto das Flores é ter a certeza de que não há um projeto de governo em Serrinha. Em prática está a velha lorota do tudo está melhor que antes. Mentira! Estava ruim e continua piorando. A eleição de um governo de esquerda é construída em cima de uma proposta de transformação das estruturas de poder. Esperava-se acabar com os vícios da política das negociatas, das notas fiscais falsas ou superfaturadas, das eleições garantidas pela compra de lideranças ou pelo leilão dos cargos públicos. Aquelas pessoas no meio do lixão são a prova de que o governo para o povo é uma falácia. O povo só é visto quando crianças viram princesas no meio do lixão, como a Rita de Avenida Brasil, exploradas por miseráveis também sem futuro. A novela é utopia, arte, desejo de mundo. O Alto das Flores é a crueldade da constatação de que a política não está resolvendo nossos problemas, por mais simples que eles possam ser.
Creche Mundo da Criança em Alto das Flores, vizinha ao lixão.
Não sabemos qual será o resultado da próxima eleição em Serrinha. Seja qual for, uma coisa é certa: Osni Cardoso enterrou as esperanças de muitos políticos que, como eu, acreditavam que, com ao chegada ao poder de partidos como PT, PSB, PCdoB e outros, iniciaríamos a revolução para colocar em prática os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. Não! Ninguém disse que é fácil. São mais de 500 anos de injustiça. O problema é que nem mesmo iniciamos! Melhor, estamos piorando. A corrupção é a maior da história. Nunca se roubou tanto neste país e a divisão de renda está tão desigual que nem mais o bolsa família resolve. Para completar, as drogas, a violência, a decadência da educação, a falta de ética, etc, etc, etc. Osni Cardoso pode se orgulhar. Ele está dando uma significativa contribuição a esta diarreia social.
Lá no Alto das Flores, ao ver todo aquele lixo ameaçando crianças ainda inconscientes do seu papel social, vi a podridão, vi o retrato de uma administração falaciosa, inócua e estéril. Lamentei por alguns segundos e me lembrei de Madre Teresa de Calcutá, de Mandela, de Machado de Assis, de Galileu, de Willian Walace, Florestan Fernandes, Paulo Freire, Anísio Teixeira, Patrícia Galvão, Ellen Johnson Sirleaf, Karman Tawakkul, Leymah Gbowee e tantos outros. Pode ser que a fedentina e a podridão cheguem a um ponto tão insuportável que possam servir de adubo e ajudarem a fazer brotar uma rosa.