Exclusivo!

Mais duas mortes trágicas em Heliópolis

Mariza Alves sofria de asma Adriano faleceu em acidente A cidade de Heliópolis tem vivido uma das maiores epidemias de mortes de...

Novidade

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Professores da Bahia em greve por tempo indeterminado


     O CEJDS de Heliópolis também parou.
    Por: Landisvalth Blog, Bahia Notícias e APLB
     Em assembleia realizada nesta quarta-feira (11) pela APLB (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia), professores estaduais decretaram greve por tempo indeterminado em protesto contra a proposta oferecida pelo governo de parcelamento do reajuste salarial até abril de 2013. “O governo assinou um acordo com a APLB em novembro de 2011 com a promessa de 22,22% de aumento, não cumpriu e quer parcelar isso com uma parte agora, outra em novembro e mais uma em abril. A categoria não concordou porque a nossa ideia era de que, se fosse para parcelar, que fosse pelo menos dentro deste ano”, reclamou Eliza Melo, diretora da APLB. Depois da assembleia, um grupo do sindicato faz uma caminhada nesta manhã em direção à Praça da Piedade. Segundo Eliza, representantes da categoria irão realizar uma manifestação na próxima quarta-feira (18), em frente à Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia (CAB). O governo prometeu enviar nesta quarta para a Assembleia Legislativa o projeto de lei que garante o pagamento do piso nacional a todos os professores do estado. A greve deve durar pelo menos até dia 19 de abril quando, no Teatro Nazaré, haverá outra Assembleia para debater os rumos do movimento.  Tudo isso porque o governo estadual simplesmente ignorou a decisão federal de implantar o Piso Salarial Profissional Nacional em todo o Brasil. Aqui em Heliópolis, os professores do Colégio Estadual José Dantas de Souza, única escola estadual do município, aderiram à paralisação agora às 14 horas e solicitaram a compreensão dos alunos e seus familiares. Durante anos lutamos por uma lei que estabelecesse um salário menos aviltante ao professor. Agora que ela existe, os políticos, muitos antigos defensores da educação de qualidade, não a querem cumprir.