Exclusivo!

Mais duas mortes trágicas em Heliópolis

Mariza Alves sofria de asma Adriano faleceu em acidente A cidade de Heliópolis tem vivido uma das maiores epidemias de mortes de...

Novidade

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Eleitores do Pará rejeitam divisão do estado


     Maioria dos eleitores disse 'não' à criação de Tapajós e Carajás e muitos lamentam a oportunidade perdida de levar progresso a regiões eternamente abandonadas. Resultado do plebiscito encerra trâmite para a divisão do estado.
     Gabriela Gasparin - do G1, em Belém

Os resistentes à divisão do Estado do Pará comemoram vitória em Belém
     Os eleitores paraenses decidiram, em plebiscito realizado neste domingo (11), manter o estado do Pará com o território original, segundo informou às 20h08 o presidente do Tribunal Regional Eleitoral, Ricardo Nunes. A confirmação do resultado foi dada com 78% de urnas apuradas, duas horas depois do término da votação. "Diante do cenário atual, matematicamente, os eleitores do estado do Pará decidiram pela não divisão", afirmou o presidente do TRE paraense. A apuração foi concluída por volta de 1h20 desta segunda (horário de Brasília). Com 100% das urnas apuradas, o resultado indicou que 66,59% escolheram "não" para a criação do estado de Carajás e 66,08% rejeitaram a criação do estado de Tapajós. A apuração terminou por volta da 1h20 (horário de Brasília) desta segunda-feira (12) e o resultado final foi de 66,6% votos para o "não" à criação do estado de Carajás e 66,08% contra a formação do estado de Tapajós.
      Foram apurados os votos das 14.249 urnas do estado. A abstenção foi de 25,71% do eleitorado paraense. Do total apurado em relação a Carajás, pouco mais de 1% era de votos nulos e 0,41% de brancos. Em relação a Tapajós, 1% foi de votos nulos e 0,49% de votos. Os eleitores responderam a duas perguntas "Você é a favor da divisão do estado do Pará para a criação do estado de Carajás?" e "Você é a favor da divisão do estado do Pará para a criação do estado do Tapajós?". O número 77 correspondeu à resposta "sim" para qualquer uma das perguntas. E o número 55 foi usado para o "não". Com a decisão das urnas, o trâmite para a divisão do estado se encerrou junto com o plebiscito. Dessa forma, a Assembleia Legislativa paraense e o Congresso Nacional não precisarão analisar a divisão do território e criação dos novos estados. Resultado parcial do TRE do Pará, de 21h20 (horário de Brasília), indicava que as possíveis capitais de Carajás e Tapajós - caso ocorresse a divisão - votaram pela divisão. Marabá (Carajás), com 70,57% das urnas apuradas, tinha 93,26% de 'sim' para a divisão, e Santarém (Tapajós), com 100% de urnas apuradas, tinha 98,63% para dividir. Belém, no entanto, com 99,96% de urnas apuradas, tinha 93,88% para o 'não' em relação à criação de Tapajós e 94,87% de 'não' para Carajás.
     'Forma eficiente'
     O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, comemorou a rapidez na divulgação do resultado parcial do plebiscito cerca de duas horas após o encerramento da votação. "Penso que não apenas a cidadania está madura do ponto de vista cívico, mas a tecnologia eleitoral brasileira está muito avançada, conseguimos apurar o resultado matematicamente consolidado em duas horas depois do fechamento das urnas. Hoje foi um teste importante e verificou-se que o povo pode ser consultado rapidamente de forma eficiente e econômica", disse. Para Lewandowski, o percentual de abstenção (25,4% às 20h11 - horário de Brasília) está dentro da normalidade. "Os índices de abstenção são relativamentes pequenos em um país de dimensões continentais. Acredito que a democracia no Brasil está consolidada", completou o presidente do TSE.
     Votação
     A votação começou às 8h, em mais de 14 mil seções eleitorais do estado do Pará. Os eleitores responderam a duas perguntas "Você é a favor da divisão do estado do Pará para a criação do estado de Carajás?" e "Você é a favor da divisão do estado do Pará para a criação do estado do Tapajós?". O número 77 correspondeu à resposta "sim" para qualquer uma das perguntas. E o número 55 foi usado para o "não". Em 277 locais considerados de difícil acesso, a votação foi feita em urnas ligadas a baterias, que transmitiram os votos via satélite. Durante todo o dia, mais de três mil militares do Exército reforçaram a segurança em 16 cidades do Pará, incluindo os municípios de Santarém e Marabá, que seriam as capitais dos novos estados. Os outros municípios que contaram com segurança foi Altamira, Brasil Novo, Monte Alegre, Alenquer, Óbidos, Juriti, Oriximiná, Santana do Araguaia, São Félix do Xingu, Redenção, Tucumã, Orilândia do Norte, Bacajá e Anapu.
     Ausência
     Os eleitores que não compareceram para votar terão 60 dias para justificar a ausência nas zonas eleitorais em que estiveram inscritos. Mesmo se tratando de um plebiscito, as exigências são as mesmas para eleições regulares. Quem deixou de votar e não apresentou a justificativa será multado e pode ter o título de eleitor cancelado.
     Beto Barbosa que sair do Pará
Beto Barbosa: "Não podemos ser egoístas e impedir que pessoas cresçam!"
      O cantor Beto Barbosa, nascido no Pará – que estava esquecido, mas voltou à mídia após campanha publicitária de uma cervejaria –, revoltou-se com a vontade da população do estado de manter-se unida no mesmo território. De acordo com informações do UOL, Beto Barbosa ficou revoltado com o resultado do plebiscito e prometeu tirar seus familiares do Pará. “Na primeira oportunidade que eu tiver, vou tirar minha família de lá. Saí do Pará há 25 anos e há 20 anos não faço show lá, nem por R$ 1 milhão. Não podemos ser egoístas e impedir as pessoas de crescerem”, irritou-se. “Se Tapajós e Carajás virassem Estado iam crescer e mudar aquela situação de total carência das pessoas que moram naquela região. É inadmissível saber que existem pessoas que ainda moram em palafitas, sem banheiro, sem médicos e tem de enfrentar dias de barco, doentes para um socorro, que muitas vezes não têm”, disse o artista. A cantora Fafá de Belém, porém, comemorou.
     Separatistas culpam Duda Mendonça
     Contratado pelos separatistas que lutavam para a criação do estado de Carajás, o publicitário baiano Duda Mendonça foi responsabilizado pelos separatistas que queriam criar Tapajós pela derrota no plebiscito realizado neste domingo (11) no Pará. Os líderes do Tapajós criticaram a decisão de unificar as campanhas sugeridas por Duda, que morou no último mês em um hotel de luxo em Belém. Ele possui terras no Carajás e diz ter trabalhado sem cobrar cachê. Segundo matéria do jornal Folha de S. Paulo, o marqueteiro exigiu, porém, que a campanha contratasse a sua equipe. A prefeita de Santarém, Maria do Carmo (PT), reclamou que a criação do Tapajós poderia ter vencido se marchasse sozinha, pois enfrentava menor rejeição que a criação do Carajás na região de Belém. Ela chamou de equívoco a campanha não ter mostrado em detalhes as diferenças entre as regiões.
     Com informações complementares do Bahia Notícias.