Exclusivo!

Vereador é multado e devolverá mais de 13 mil à Câmara de Heliópolis

Giomar Evangelista recebeu subsídios indevidamente e vai ter que devolver  Bem que ele poderia ficar calado, mas, boquirroto e falastrã...

Novidade

domingo, 18 de dezembro de 2011

Concursos: Dez prefeituras da Bahia oferecem 1.554 vagas


     Amanda Palma – do jornal A TARDE
Crisópolis oferece oportunidades em concurso público
     Há uma expectativa grande em torno dos concursos federais que já foram autorizados para 2012, mas enquanto os editais não chegam, especialistas aconselham os candidatos a aproveitar as oportunidades oferecidas em seleções menos badaladas. Na Bahia, por exemplo, 1.554 vagas estão abertas em 10 prefeituras no interior do Estado. Mas não é porque os certames acontecem em cidades menores que a remuneração terá menos importância. Prova disso é que em Condeúba, a 660 km de Salvador, o salário pode chegar a R$ 9.990 no cargo de médico ginecologista. A segunda maior remuneração é de R$ 8,3 mil para o cargo de médico clínico na cidade de Crisópolis, a 215 km da capital baiana. Para esse cargo, são cinco oportunidades com inscrições abertas até este domingo (18) no endereço: www.consultorialideranca.com.br . Já a maior quantidade de vagas está na Prefeitura de Oliveira dos Brejinhos. São 400 vagas para níveis fundamental, médio e superior. A remuneração chega a R$ 6 mil. As inscrições podem ser feitas até segunda-feira (19) no site: www.cncconcursos.com.br . Para o concursando Marcos Laerte, concorrer a uma vaga em municípios menores é uma boa chance de ingressar na carreira pública, além de ser uma oportunidade de ter boa qualidade de vida. “Muita gente desiste de fazer essas seleções porque são em municípios distantes, apesar de pagar bem e ter uma qualidade de vida melhor, ganhando mais e pagando menos. O que me seduziu para morar no interior foi estar mais sossegado e estar fora dos grandes perigos da capital”, acredita.
     Pesquisa - Ele, que já fez dois concursos para morar no interior, porque não quer “sair da minha terra, da minha casa”, dá dicas a quem pretende seguir o mesmo caminho. “É preciso ver o edital e se vale a pena, no meu caso, quando não é para temporário, me jogo de cabeça. Além disso, é preciso saber como é a cidade, o custo de vida, porque às vezes pode não valer a pena”, indica. Ou seja, é necessário pesquisar muito antes de querer mudar-se para o interior. Mas não é apenas sobre a cidade que o concursando deve estar informado, explica o professor de atualidades Alan Vinicius. “Estão sendo cobrados assuntos cada vez mais contemporâneos. Na prova de Santo Amaro, por exemplo, foi usada a expressão PIIGS (Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha), que denomina as economias pobres da Europa. Não foi um concurso nacional e esse detalhe foi exigido do candidato. Outra expressão importante que o candidato deve ficar atento na parte de economia é o BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que denomina os países em crescimento”, exemplifica. Segundo Alan, outro assunto que vem sendo destaque nas provas é a questão ambiental. “É um assunto que está em voga desde o protocolo de Kyoto, e também devido às conferências do clima que acontecem todo ano. Então assuntos como a redução de gás são sempre lembrados”, afirma.  Além disso, assuntos ligados às questões mais sociais podem ser cobrados também nas redações. “A questão política, como a queda dos ministros, por meio da corrupção, por exemplo, é mais cobrada nas redações e é ligada às questões sociais. Na medida que aumenta a corrupção, aumenta o gasto público“, sugere.