Exclusivo!

Poucas & Boas 2017.3

2020 já começou? Alguns políticos de Heliópolis precisam saber que 2020 só começa após 2018. Ou seja, os resultados de 2018 podem in...

Novidade

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Revista ISTOÉ mostra que há Lalau na Bahia


     Construção da sede do Tribunal Regional do Trabalho da Bahia tem superfaturamento e indícios de irregularidade que lembram o escândalo paulista
     Adriana Nicacio - da revista ISTOÉ Edição nº  2193 
Sede em construção do TRT: suspeitas pesadas!
     Há 12 anos, os desvios de R$ 169,5 milhões na construção do Fórum Trabalhista de São Paulo deixaram claro que as despesas do Judiciário não podem ficar sem controle externo. Escaldados pelo célebre escândalo que levou à prisão o juiz Nicolau dos Santos, os técnicos do Tribunal de Contas da União estão acompanhando com lupa as obras da nova sede do Tribunal Regional do Trabalho da 5a Região, em Salvador, na Bahia. E a fiscalização já apontou irregularidades. A auditoria encontrou sobrepreço de quase R$ 1 milhão apenas no primeiro dos nove empreendimentos que vão compor o complexo do órgão. Ao todo o TRT terá seis prédios para as 1a e 2a instâncias, um plenário, um auditório e um estacionamento ao custo previsto, até o momento, de R$ 350 milhões. No relatório de 38 páginas, os técnicos afirmam que os indícios de sobrepreço são suficientes “para causar riscos ao erário”. O ministro-relator do TCU, André Luís de Carvalho, levou o caso ao plenário e, pelo acórdão publicado em 28 de setembro, a direção do TRT da 5a Região deve muitas explicações aos cofres públicos.
Irregularidades apontadas em relatório do TCU.
     O TCU quer saber por que o contrato para a construção do edifício administrativo 4 com a empresa Cinzel Engenharia foi alterado para valores acima do preço de mercado. A empresa ganhou a concorrência ao oferecer um desconto de 16,56%, mas essa diferença sumiu no terceiro termo aditivo. O ex-diretor-geral do TRT Edivaldo Lopes defende a mudança argumentando que é possível compensar os baixos preços da licitação com sobrepreços nos aditivos. “Existe essa jurisprudência no próprio TCU”, diz Lopes. O ministro-relator André Luís não concorda. “É uma interpretação equivocada. Não há que fazer compensações. Se a vencedora deu o desconto, deveria ter sido mantido”, explica André Luís. O TCU também não entendeu por que o TRT assinou sem licitação um contrato de R$ 6,5 milhões para que o Instituto Brasileiro de Tecnologia do Habitat (IBTH), do arquiteto Lelé Filgueiras, elaborasse os projetos de engenharia (estrutural, elétrico, hidrossanitário). Para o TCU, o IBTH “não reúne as qualidades de entidade especializada nos diversos projetos complementares”. Antigo colaborador de Oscar Niemeyer, Lelé é arquiteto, mas não é engenheiro. Por isso, subcontratou terceiros para os projetos. Outros indícios de irregularidades foram a falta de relatórios de licença ambiental e o contrato de R$ 320 milhões com a Caixa, muito além dos R$ 122 milhões previstos para o empreendimento no Plano Plurianual.
André Luís de Carvalho - Ministro-Relator do TCU
     Além desses questionamentos, o TRT não consegue explicar o cancelamento do contrato com a construtora NM, que venceu a licitação para a terraplanagem e o projeto de contenções. Alegando atraso, aplicou multa e sanções que impediram a empresa de contratar com a administração pública. “O TRT5 fez de tudo para rescindir o contrato com a NM”, acusa o advogado da construtora, Rafael Fajardo, que solicita na Justiça o fim das penalidades e o pagamento do montante que já foi executado. Desde a quarta-feira 9, o TRT da 5a região tem uma nova diretoria, que assumiu com o fim dos mandatos de Edivaldo Lopes e da presidente do órgão, desembargadora Ana Lúcia Bezerra Silva, responsáveis pelos contratos. Seus sucessores prometem corrigir o festival de erros. “Nós vamos acatar todas as recomendações do TCU integralmente”, afirmou à ISTOÉ o novo diretor-geral do TRT5, Tarcísio José Filgueiras.