Exclusivo!

Novo Triunfo é a cidade mais pobre do Brasil

Novo Triunfo é a cidade mais pobre do Brasil (foto: Google) Ser Nordeste duas vezes não é fácil. Nossa região está localizada no Norde...

Novidade

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Noiva será indenizada depois de ser abandonada


     A Justiça do Rio condenou Danillo Sabino a indenizar sua ex-noiva por danos materiais e morais, no valor de R$ 9.181,86, por deixá-la esperando no cartório. Cabe recurso. Na ação, Jéssica Bezerra conta que começou a namorar com Danillo em fevereiro de 2007. O casamento foi marcado para outubro de 2009. Durante esse período, diversos gastos foram feitos com a festa, aluguel de roupas e convites. Porém, no dia da cerimônia o rapaz não apareceu e não deu explicações. Jéssica ficou aguardando pelo noivo, "toda paramentada, o que lhe causou vergonha e humilhação", segundo a decisão. Danillo Sabino informou que não se casou porque a família da noiva era contra a mudança do casal de Magé para o Rio --local de trabalho dele. Afirmou ainda, que, informou à noiva, antes da data do casamento, que não poderia se casar, e que ela assumiu os riscos de acreditar na realização do matrimônio, pois o noivado já havia sido rompido anteriormente. De acordo com a relatora da decisão, desembargadora Cláudia Pires, não há uma lei que obriga os noivos a cumprirem a promessa de casamento nem ação para exigir a celebração do matrimônio. "O rompimento injustificado da promessa no dia do casamento acarreta danos morais e patrimoniais à parte abandonada no altar", disse Cláudia.
     OUTRO CASO
     Na semana passada, a 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, manteve, por unanimidade, a condenação de Marcelo de Azevedo. Ele deverá indenizar sua ex-noiva, Cristiane Costa, em R$ 11.553,03 por danos materiais e morais pelo rompimento do noivado. Segundo o Tribunal de Justiça, Cristiane afirma que Marcelo teria terminado o noivado por intermédio dos pais dela, aos quais "contou detalhes do relacionamento, desrespeitando a sua intimidade e ignorando as despesas efetuadas para a realização da cerimônia de casamento e moradia do casal". Cristiane alegou que sofreu abalo a ponto de procurar tratamento psicoterápico. A decisão considerou "a humilhação e vergonha suportadas" por Cristiane ao ter detalhes do relacionamento expostos --um "total desrespeito à intimidade", diz o texto.
     Informações da Folha.com.