Exclusivo!

Poucas & boas 2017.1

Brasil sem honoris causa! O título de Lula foi além do que devia (foto: Marlene Bergamo/Folhapress) Sem conseguir derrubar na Justiça...

Novidade

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Professores param por 24 horas nesta terça


Professores da rede estadual e municipal de ensino paralisaram as atividades por 24 horas nesta terça-feira, 13, Dia de Luta em Defesa da Educação, para fazer uma mobilização na Praça Municipal, centro de Salvador. Os docentes cobram do governo e município melhorias trabalhistas, como a adesão ao piso salarial de  R$ 1.187, 84, estipulado em 2008 pelo Ministério da Educação (MEC) e aprovado pelo STF em abril deste ano. 
Os professores do município já recebem o valor correspondente ao estabelecido, mas os do estado reclamam a remuneração paga, de R$ 1.024, 163 abaixo do praticado em outros estados brasileiros. Além disso, os docentes pedem que o acréscimo, com a efetivação do teto, abranja ainda os professores dos níveis M (especialização), E (mestrado) e D (doutorado) 
De acordo com dirigentes sindicais, o Estado está em negociação com a categoria. Os professores aproveitaram a mobilização para criticar as mudanças no Planserv, plano de saúde que passou a ter o número de consultadas limitadas após mudança aprovada no dia 31 de agosto pela Assembleia Legislativa da Bahia. 
Já os professores municipais de Salvador, que já recebem o teto nacional, aproveitaram a ocasião para cobrar melhorias na estrutura das escolas e contratação de novos profissionais. Segundo a vice-coordenadora da APLB (Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Bahia), Marilene Petros, existe um déficit de docentes nas salas de aula. Houve um concurso em 2010 para a contratação de professores, mas, de acordo com o Sindicato, muitos deles não foram efetivados por problemas burocráticos na Secretaria da Administração
Os docentes reclamaram ainda do estado no qual se encontram muitas escolas municipais, onde faltam carteiras e merenda escolar. A vice-coordenadora da APLB informou que algumas escolas até recebem a merenda, mas que não é incomum a falta de alguns itens necessários para a produção dos alimentos. Algumas recebem frango, e fica faltando o arroz. Outros tem reposto o estoque de leite, mas falta os outros itens necessários para o preparo do mingau. Os professores municipais pretendem preparar uma carta para entregar ao prefeito e secretário de educação com as reivindicações da categoria. Eles pedem melhorias nas condições de trabalho e nas escolas.
Paralisação - A interrupção das atividades nesta terça-feira, 13, atinge as 1.400 escolas estaduais, que contam com 1 milhão e meio de alunos em toda a Bahia, e 418 colégios municipais de Salvador, onde estudam cerca de 800 mil pessoas. As aulas serão retomadas nesta quarta-feira, 14, e todo o conteúdo programático será reposto, segundo Marilene Petros. 
Informações de A TARDE - Ilustração de Laerte.