Exclusivo!

Poço Verde nega título a Lula. E daí?

A cegueira ideológica impede a transformação real da sociedade (foto: porvir.org.) Dizem que o Brasil está tão dividido que é preciso ...

Novidade

domingo, 4 de setembro de 2011

O custo da corrupção


Pelo menos o valor equivalente à economia da Bolívia foi desviado dos cofres do governo federal em sete anos, de 2002 a 2008, informa reportagem de Mariana Carneiro, publicada na Folha deste domingo.  Cálculo feito a partir de informações de órgãos públicos de controle mostra que R$ 40 bilhões foram perdidos com a corrupção no período --média de R$ 6 bilhões por ano, dinheiro que deixou de ser aplicado na provisão de serviços públicos. Com esse volume de recursos seria possível elevar em 23% o número de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família --hoje quase 13 milhões. Ou ainda reduzir à metade o número de casas sem saneamento --no total, cerca de 25 milhões de moradias ou ainda dobrar o salário básico de um professor, com folga. O montante apurado faz com que escândalos políticos de grande repercussão pareçam pequenos. Vejam alguns escândalos desde 1992.
COLLOR/PC FARIAS - 1992
Esquema montado pelo empresário Paulo César Farias, ex-tesoureiro da campanha de Collor à Presidência, para desviar dinheiro público e arrecadar propina. Foi denunciado pelo irmão caçula de Collor e levou ao impeachment do presidente em 1992.
ANÕES DO ORÇAMENTO - 1993
Um assessor da Comissão do Orçamento do Congresso revelou a existência de um esquema em que parlamentares desviavam dinheiro do Orçamento da União para laranjas e parentes por meio de emendas parlamentares. Seis deputados foram cassados e perderam o mandato.
MALUF/PITTA (1993-1999)
Dinheiro obtido com lançamento de títulos da Prefeitura de São Paulo para pagar precatórios (dívidas judiciais) foi usado em obras superfaturadas nos governos de Paulo Maulf e Celso Pitta. Há indícios de desvio de dinheiro para contas no exterior por meio de doleiros, empresas fantasmas e laranjas, o que Maluf nega.
TRT (1998-2000)
Desvio de cerca de R$ 923 milhões (valores atuais) durante a construção superfaturada da sede do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) de São Paulo, cuja licitação foi feita em 1992. O empresário Luiz Estevão, dono de uma construtora que recebeu parte do dinheiro desviado, elegeu-se senador e foi cassado em 2000.
SUDAM (2001)
Fraude envolvendo políticos, empresários e servidores que desviou mais de R$ 1,2 bilhão dos cofres da Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia), que geria a política de incentivos fiscais na Amazônia
OPERAÇÃO ANACONDA (2003)
Investigação da PF que descobriu, por meio de escutas telefônicas, indícios de extorsão e venda de sentenças judiciais envolvendo juízes e policiais federais.
MENSALÃO (2005)
Esquema montado com ajuda de bancos e empresários para financiar o PT e partidos da base aliada do governo Lula. Denunciado pelo ex-deputador Roberto Jefferson à Folha, o caso deve ser julgado pelo STF está previsto para 2012
MÁFIA DOS SANGUESSUGAS (2006)
Fraude em emendas ao Orçamento que envolveu mais de cem congressistas e assessores, acusados de receber propina de empresa que vendia ambulâncias superfaturadas para prefeituras.
OPERAÇÃO NAVALHA (2007)
A investigação da PF desmontou esquema de favorecimento ilegal da construtora Gautama em licitações de obras do PAC e de programas federais, envolvendo políticos e servidores.
MENSALÃO DO DEM (2009-2010)
Denunciado por um assessor do governo do DF, tratava-se de pagamento de propina de empresários a integrantes do governo ficou célebre pelos vídeos que mostraram o ex-governador José Roberto Arruda e outros envolvidos recebendo pacotes de dinheiro em seus gabinetes.
Informações da Folha de São Paulo.