Exclusivo!

A corrupção bolivariana do PT

Gleisi Hoffmann aposta no Brasil como uma Venezuela (foto:Wenderson Araújo)       A senadora Gleisi Hoffmann não é apenas a representa...

Novidade

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Lançada proposta de criação do Estado do São Francisco

O deputado federal Oziel Oliveira (PDT-BA) ganhou destaque nesta semana por apresentar um projeto que pretende dividir a Bahia em dois Estados – Bahia e São Francisco. De acordo com o projeto, que será analisado pelo Congresso Nacional, o Estado do São Francisco teria 173 mil quilômetros quadrados, um PIB de R$ 10 bilhões e seria composto inicialmente por 31 municípios. Mesmo antes do deputado dar entrada na proposta, a discussão gera polêmica.
Vale lembrar que não é a primeira vez que se prõpoe a divisão da Bahia. Na década de 80, um movimento separatista também reivindicava o desmembramento do Estado em dois. Na época, como forma de combater o projeto, o publicitário Duda Mendonça criou um campanha chamada “A Bahia Ninguém Divide”, da qual participou a cantora  Maria Bethânia. Naquela ocasião, após forte campanha da imprensa e lobby de políticos no Congresso, o Estado dividido foi o de Goiás, com a criação do estado de Tocantins, em 1988.
Caso o Estado do São Francisco seja emancipado do resto da Bahia, com os 14 municípios que compõem o território de Identidade do Oeste, a Bahia pode perder 4,11% de suas riquezas, estimadas em R$ 121,5 bilhões, pelo cálculo do produto interno bruto (PIB) de 2008.
No entanto, para defender sua proposta, Oziel Oliveira argumenta que o desenvolvimento a ser proporcionado vai compensar o custo administrativo. O projeto, que será apresentado no Congresso na próxima segunda-feira, 23, já tramita na Assembleia Legislativa da Bahia. Se a proposta pegar, espero que pensem na criação do Estado do Nordeste, desmembrado da Bahia, do Rio Itapicuru até Juazeiro. A capital poderia ficar em Uauá, Monte Santo ou Euclides da Cunha. Só assim veríamos um desenvolvimento mais dinâmico, se colocarmos no poder gente que pense na gente.
Fonte: portal A TARDE.